BPD é opção para rentabilizar reserva sem contribuição obrigatória

COMUNICAÇÃO

voltar

30 de maio de 2014

Na terceira matéria da série sobre os Institutos, vamos esclarecer o Benefício Proporcional Diferido. Também conhecido como BPD, esta é mais uma opção a que o Participante pode recorrer para manter o seu vínculo com a Faelba mesmo após o desligamento da empresa. Quem escolhe este Instituto pode ou não realizar contribuições voluntárias, ou seja, deixa de ter a obrigatoriedade da contribuição básica mensal ao Plano Previdenciário. A Reserva Matemática, no entanto, continua sob a administração da Faelba, e também é rentabilizada todos os meses, de acordo com o Perfil de Investimento escolhido pelo Participante.

Para optar pelo BPD, é necessário que o Participante tenha pelo menos 36 meses de vínculo com o Patrocinador, além de ainda não ter 55 anos de idade para requerer o Benefício de Aposentadoria Normal. Assim como no Autopatrocínio, já abordado em matéria da série, o Participante desligado que opta pelo BPD passa a custear a despesa administrativa do Plano, uma vez que, como Participante Ativo, quem arcava com este custo era a própria empresa.

Posteriormente, o Participante em BPD pode receber o Benefício de Aposentadoria Normal, Aposentadoria Normal Antecipada ou Benefício por Desligamento, desde que cumpridos os requisitos para requerimento dos mesmos. O Participante pode, também, optar pelos Institutos da Portabilidade, já abordado aqui anteriormente, ou pelo Resgate, que será o tema da próxima e última matéria da série especial sobre os Institutos.

Perdeu as outras matérias da série? Acesse:

Portabilidade

Autopatrocínio