Declaração do Imposto de Renda (IR) 2018

COMUNICAÇÃO

voltar

05 de março de 2018

A Declaração do Imposto de Renda Pessoa Física (IRPF) deve ser planejada para facilitar a entrega. É aconselhável separar os documentos que serão usados no preenchimento da Declaração do Imposto de Renda 2018 (ano-base 2017) que iniciou em 1 de março e vai até 30 de abril.

Deverá declarar o contribuinte que recebeu rendimentos tributáveis acima de R$ 28.559,70 em 2017. O valor é o mesmo da declaração do IR do ano passado.

Também deve declarar:

  • Contribuintes que receberam rendimentos isentos, não-tributáveis ou tributados exclusivamente na fonte, cuja soma tenha sido superior a R$ 40 mil no ano passado;
  • Quem obteve, em qualquer mês de 2017, ganho de capital na alienação de bens ou direitos, sujeito à incidência do imposto, ou realizou operações em bolsas de valores, de mercadorias, de futuros e assemelhadas;
  • Quem teve, em 2017, receita bruta em valor superior a R$ 142.798,50 em atividade rural;
  • Quem tinha, até 31 de dezembro de 2017, a posse ou a propriedade de bens ou direitos, inclusive terra nua, de valor total superior a R$ 300 mil;
  • Quem passou à condição de residente no Brasil em qualquer mês do ano passado e nessa condição encontrava-se em 31 de dezembro de 2017.

Documentos que facilitam o preenchimento da declaração:

  1. Gerais: CPF; título de eleitor; comprovante de endereço; documento ou anotação com sua profissão; cartão do banco para informar o número da agência e da conta para restituição ou débito; cópia da declaração do IR anterior.
  2. Informes de Rendimentos: dos bancos (saldos e rendimentos); do empregador (informações dos rendimentos, contribuições INSS e Imposto Retido na Fonte); de gestoras, corretoras (com valores do saldo em conta e em cada aplicação, bem como rendimentos anuais) e PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR (Faelba).
  3. Recibos e notas fiscais de despesas com educação: esses documentos são válidos tanto para os contribuintes, quanto para seus dependentes. São considerados os gastos com escola, faculdade, pós-graduação e ensino técnico.
  4. Recibos e notas fiscais de serviços médicos e odontológicos: devem conter a razão social da empresa ou o nome completo do profissional, seu CNPJ ou CPF, o endereço do estabelecimento, o serviço realizado, bem como o nome completo do paciente e o valor.
  5. Comprovante de aluguel: é válido tanto para quem mora de aluguel, quanto para o proprietário.
  6. Comprovantes de contribuição: Previdenciária (Contribuições esporádicas realizadas para Previdência Complementar que não tenham sido pela folha de pagamento do empregador).
  7. Outros comprovantes: Recibos de compra e venda de bens; outras rendas recebidas, como heranças, doações, resgate do FGTS, indenização por ação.