Faelba com selo de Autorregulação em Governança de Investimentos

COMUNICAÇÃO

voltar

04 de fevereiro de 2019

O Conselho de Autorregulação, composto pela ABRAPP – Associação Brasileira das Entidades Fechadas de Previdência Complementar, pelo SINDAPP – Sindicato Nacional das Entidades Fechadas de Previdência Complementar e pelo ICSS – Instituto de Certificação dos Pro­fissionais de Seguridade Social aprovaram a concessão do Selo de Autorregulação em Governança de Investimentos, atestando a aderência da Faelba ao Código na 7ª reunião do colegiado, realizada no dia 30/01/2019.

O objetivo do Código de Autorregulação em Governança de Investimentos é estabelecer os parâmetros relativos ao tema endereçados às Entidades Fechadas de Previdência Complementar (EFPC), respeitando a sua forma, estrutura e porte.

Para o Diretor Superintendente da Faelba, Augusto Reis, a importância do Selo de Autorregulação na Governança dos Investimentos se dá pelo reconhecimento de um Órgão Externo, a respeito da solidez do Processo de Investimentos da Fundação. Sobretudo no que diz respeito a obediência aos procedimentos e normativos que regulam o tema, sempre em linha com o fortalecimento da Governança Corporativa dos Investimentos. O Selo também traz o compromisso pela manutenção e busca da melhoria do processo.

Essa nova conquista da Fundação vai contribuir, ainda mais, para o aprimoramento das práticas de governança dos investimentos e mitigação dos riscos existentes na gestão dos recursos, fixando princípios e estabelecendo obrigações, entre outras, o limite de alçada, isto é, a definição de órgãos e cargos responsáveis pela aprovação, negociação e formalização de investimentos da Faelba.

Conheça os princípios do Código

Manter elevados padrões éticos, e de integridade

Garantir a adequada informação, clara, confiável e oportuna

Adotar ações que promovam a transparência nos processos de governança de investimentos

Exercer as atividades de gestão de recursos, buscando sempre as melhores práticas de governança

Adotar práticas que fortaleçam a relação fiduciária com os participantes, assistidos, patrocinadores, instituidores, sociedade civil e demais partes interessadas