Mercado Financeiro

NOTÍCIAS

voltar

Resumo da semana de 10 a 14/02/2020*

CÂMBIO

Em novo dia de intervenção do Banco Central, o real voltou a ser destaque de fortalecimento no mercado internacional e foi a moeda com melhor desempenho. O dólar engatou a segunda queda consecutiva, acumulando recuo de 0,47% nos últimos cinco dias. A injeção de US$ 2 bilhões pelo BC ontem e hoje por meio de swaps (espécie de venda de dólar no mercado futuro) fez a moeda americana quebrar uma sequência de seis semanas seguidas de altas, valorizando 6,6%. Na sessão de hoje, o recuo foi de 0,77%, para R$ 4,3004. O dólar futuro para março fechou em baixa de 1,21%, a R$ 4,3005.

JUROS

Os juros futuros de médio e longo prazos fecharam com queda expressiva, de mais de 10 pontos-base, e nas mínimas históricas em meio ao aumento das preocupações com a atividade doméstica, principalmente diante do risco dos efeitos da epidemia de coronavírus na economia global. A abertura do hiato do produto foi tema de destaque das duas reuniões de economistas com diretores do Banco Central São Paulo, numa semana de vários indicadores ruins da atividade doméstica. O mercado não somente reduziu prêmios para aperto monetário, sobretudo em 2021, na curva como já retoma a discussão sobre se o próximo ciclo da Selic não será também de baixa. Pela manhã, uma apresentação do presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, também na capital paulista, trouxe ruídos nas mesas de operação. Ainda, o exterior teve hoje um viés desinflacionário para a curva local, com indicadores econômicos fracos na Europa e Estados Unidos.

BOLSA

O Ibovespa fechou a sessão da sexta-feira, 14/02, em baixa de 1,11%, a 114.380,71 pontos, acumulando ganho de 0,55% no mês e anotando perda de 1,09% no ano. O giro financeiro, moderado, totalizou R$ 19,7 bilhões, em sessão na qual o principal índice da B3 oscilou entre mínima de 114.132,37 e máxima de 115.662,73 pontos. Assim como na semana anterior, o Ibovespa alternou breves sequências de ganhos e de perdas, deixando, ao cabo, o índice com pouca variação no período.

*Fonte: Agência Estado