Mercado Financeiro

NOTÍCIAS

voltar

Resumo da semana de 09 a 13/09/2019*

CÂMBIO

O dólar chegou a cair para R$ 4,04 na manhã da sexta-feira, 13/09, mas o tom de cautela prevaleceu na tarde de hoje antes de uma agenda agitada na semana que vem, com reuniões de política monetária de nove bancos centrais ao redor do mundo, incluindo Estados Unidos, Inglaterra, Japão e Brasil. Operadores ressaltam ainda que o alerta emitido pelo Tribunal de Contas da União (TCU) sobre os riscos de descumprimento da meta fiscal deste ano, publicado pelo Broadcast nesta tarde, também não repercutiu bem nas mesas de câmbio, em meio às dúvidas sobre como o governo vai conseguir arrecadar mais com o presidente Jair Bolsonaro vetando a volta da CPMF. O dólar à vista fechou em alta de 0,66%, a R$ 4,0865.

JUROS

Os juros futuros de médio e longo prazos ampliaram à tarde o viés de alta com que haviam encerrado a manhã da sexta-feira, 13/09, enquanto as taxas curtas, que operavam perto da estabilidade, passaram a subir, todas renovando máximas na última hora da sessão regular. O movimento se deu em linha com a piora dos demais ativos, em especial o dólar que se firmou em terreno positivo, superando R$ 4,09 no intraday, em meio ainda a um alerta feito pelo Tribunal de Contas da União (TCU) ao governo para o risco de descumprimento da meta fiscal neste ano. No fechamento, as taxas longas tiveram incremento de até 11 pontos-base, enquanto a pressão na ponta curta foi limitada pela perspectiva de queda da Selic.

BOLSA

Depois de uma manhã de instabilidade no dia 13/09, em que alternou pequenas altas e baixas, o Ibovespa perdeu força ao longo da tarde e trabalhou em terreno negativo na segunda etapa de negócios. Com renovação sucessiva de mínimas na reta final do pregão, o índice fechou aos 103.501,18 pontos, em queda de 0,83%. Apesar do tombo da sexta-feira, 13/06, o Ibovespa encerrou a semana em alta de 0,55% e já acumula ganhos de 2,34% em setembro, em meio à diminuição dos temores de desaceleração mais forte da economia global, após sinais de trégua na guerra comercial sino-americana.

*Fonte: Agência Estado